Move-to-Earn: Como lucrar fazendo exercícios

Já ouviu falar no “Move-to-Earn”(mova-se para ganhar)? Trata-se de uma categoria que está ganhando cada vez mais relevância dentro do cenário de jogos em blockchain. Principalmente depois que o projeto STEP’N chamou a atenção de todos, com a valorização de seu token de governança (GMT) de mais de 300x do preço em sua oferta inicial. Investidores, analistas e jogadores estão atentos às próximas novidades e promessas desse mercado. E vale destacar que muitos projetos relacionados já foram lançados e estão disponíveis. Outros estão em fase de desenvolvimento ou sendo preparados para a realização de rodadas de venda antecipada de ativos, as “whitelists”. Em outras palavras, existem muitas possibilidades de lucro. Continue a leitura para saber mais.

“Move-to-Earn”: O que é?

Primeiro, é preciso entender que a categoria “Move-to-Earn” (M2E) pode ser compreendida como um desenvolvimento ou uma variação do estilo de jogo que se estabeleceu como Play-to-Earn, ou jogue para ganhar.

No entanto, em vez de simplesmente jogar para ganhar, o Move-to-Earn faz com que os jogadores ganhem dinheiro praticando atividades físicas, mentais, motoras e cognitivas, tanto indoor quanto outdoor.

Isso se torna possível através da combinação entre a tecnologia de aplicativos e dispositivos móveis como Smartphones, Smartwatches e outros “Health Devices”, com diferentes tipos de sensores e rastreadores. Por exemplo, o GPS.

Para você entender como funciona, esses dispositivos vão coletar dados sobre atividade corporal, movimentação e deslocamento. Todas essas informações, por sua vez, podem ser convertidas em diferentes ativos digitais de projetos variados.

Crescimento do mercado Move-to-Earn

Lembrando que o interesse dos usuários em atividades físicas e saúde corporal são fatores capazes de determinar o sucesso desse tipo de jogo em blockchain.

Mas muito além de um estilo de vida mais saudável ser atrativo, outros pontos podem ser importantes para atrair os usuários a entrarem de vez no Move-to-Earn. Veja quais são:

Mais consciência ambiental

Sabemos que conceitos como os de “carbono neutro”, compensações ou “créditos de carbono”, ligados à ideia de redução da emissão de poluentes, estão cada vez mais presentes no debate público.

Outro ponto importante é que a poluição ambiental das grandes cidades faz com que as pessoas busquem fontes alternativas de energia limpa.

Pós Pandemia

Mais um dado relevante é que a pandemia da Covid-19 aumentou os níveis de stress e sedentarismo. Mais pessoas passaram a se preocupar com a própria saúde, buscando praticar exercícios e atividades ao ar livre.

Aumento da inflação e crise energética

Basta acompanhar os noticiários e os preços praticados para entender que um dos resultados da guerra entre Rússia e Ucrânia foi a disparada no preço do barril do petróleo e, consequentemente, o aumento no preço dos combustíveis.

Dessa forma, pedalar ou caminhar para o trabalho se tornou uma alternativa para economizar dinheiro e energia. 

Incentivos para sustentabilidade

Várias organizações ao redor do mundo têm oferecido incentivos para a redução das emissões de carbono.

Não é difícil imaginar que parte destes subsídios podem ser direcionados a projetos como o Move-to-Earn, buscando incentivar as pessoas a modificarem seus hábitos, mantendo estilos de vida mais adequados a esses propósitos. 

Experiência do usuário

Por último, o desenvolvimento de aplicativos que ajudam a registrar, medir e mapear atividades físicas diversas estimulam a adoção do público e facilitam o planejamento de rotinas mais ativas e saudáveis pelos usuários.

Cenário Atual: Move-to-Earn pode crescer ainda mais?

Quem acompanha o cenário GameFi atual, já notou que o número de jogadores ainda é relativamente pequeno e a maior parte deles já investiu em criptomoedas antes.

Nenhum jogo play to earn tem atualmente uma base maior do que um milhão de usuários assíduos. Porém, o Move-to-Earn é uma proposta capaz de aumentar a adesão e a adaptação de novos usuários ao universo Blockchain.

Entenda que os jogos e projetos mais marcantes e bem sucedidos são sempre aqueles que melhor ou mais rápido engajam uma comunidade.

Atletas e instituições esportivas já possuem um certo número de pessoas que são adeptas e seguidoras destas comunidades antes mesmo de fazer parte do ecossistema da economia blockchain.

Outro ponto positivo é que a “comunidade fitness” mundial, que busca      um estilo de vida saudável, além de ser enorme, é muito engajada e integrada, mantendo laços firmes e duradouros entre os seus membros e deles com as rotinas de exercícios e atividades praticadas.

Na prática, a conversão de uma pequena fração destas pessoas em potenciais usuários de aplicativos “Move-to-Earn” já seria uma quantia bastante expressiva para a comunidade cripto como um todo.

Relação “Move-to-Earn” e Blockchain

O conceito de se exercitar para ganhar já existe faz algum tempo. Diversos apps tentaram recriar um ecossistema de recompensas para as pessoas que os utilizavam ao praticar exercícios.

Assim, o movimento “GameFi” foi fundamental para possibilitar a consolidação do Move-to-Earn.

Tendo acesso aos benefícios de criptografia e tokens não fungíveis (NFTs), os usuários passam a realmente possuir as recompensas que os aplicativos oferecem, podendo usá-los dentro dos jogos, exibir como peças colecionáveis ou até mesmo negociar nos mais diversos mercados.

Há várias outras possibilidades que podem ser relacionadas para a ascensão do Move-to-Earn, como a criação de metaversos em potencial ou a utilização de realidade aumentada, realidade virtual e novos tipos de dispositivos móveis para o monitoramento das atividades corporais.

Em outras palavras, o mercado ainda promete crescer. O que você acha? Deixe nos comentários.

Artigos Relacionados

CURTIU? NÃO SE ESQUEÇA DE COMPARTILHAR!

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

plugins premium WordPress

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.